segunda-feira, 24 de abril de 2017

2ª Semana da Páscoa - Segunda-feira 24/04/2017

Evangelho (Jo 3,1-8)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
1Havia um chefe judaico, membro do grupo dos fariseus, chamado Nicodemos, 2que foi ter com Jesus, de noite, e lhe disse: “Rabi, sabemos que vieste como mestre da parte de Deus. De fato, ninguém pode realizar os sinais que tu fazes, a não ser que Deus esteja com ele”.
3Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, te digo, se alguém não nasce do alto, não pode ver o Reino de Deus”. 4Nicodemos disse: “Como é que alguém pode nascer, se já é velho? Poderá entrar outra vez no ventre de sua mãe?”
5Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade, te digo, se alguém não nasce da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus. 6Quem nasce da carne é carne; quem nasce do Espírito é espírito. 7Não te admires por eu haver dito: Vós deveis nascer do alto. 8O vento sopra onde quer e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

domingo, 23 de abril de 2017

SANTO DO DIA - São Jorge, viveu o bom combate da fé

São JorgeSão Jorge, foi um homem que, em nome de Jesus Cristo, pelo poder da Cruz, viveu o bom combate da fé

Conhecido como ‘o grande mártir’, foi martirizado no ano 303. A seu respeito contou-se muitas histórias. Fundamentos históricos temos poucos, mas o suficiente para podermos perceber que ele existiu, e que vale à pena pedir sua intercessão e imitá-lo.

Pertenceu a um grupo de militares do imperador romano Diocleciano, que perseguia os cristãos. Jorge então renunciou a tudo para viver apenas sob o comando de nosso Senhor, e viver o Santo Evangelho.
São Jorge não queria estar a serviço de um império perseguidor e opressor dos cristãos, que era contra o amor e a verdade. Foi perseguido, preso e ameaçado. Tudo isso com o objetivo de fazê-lo renunciar ao seu amor por Jesus Cristo. São Jorge, por fim, renunciou à própria vida e acabou sendo martirizado.

Uma história nos ajuda a compreender a sua imagem, onde normalmente o vemos sobre um cavalo branco, com uma lança, vencendo um dragão:
“Num lugar existia um dragão que oprimia um povo. Ora eram dados animais a esse dragão, e ora jovens. E a filha do rei foi sorteada. Nessa hora apareceu Jorge, cristão, que se compadeceu e foi enfrentar aquele dragão. Fez o sinal da cruz e ao combater o dragão, venceu-o com uma lança. Recebeu muitos bens como recompensa, o qual distribuiu aos pobres.”

Verdade ou não, o mais importante é o que esta história comunica: Jorge foi um homem que, em nome de Jesus Cristo, pelo poder da Cruz, viveu o bom combate da fé. Se compadeceu do povo porque foi um verdadeiro cristão. Isto é o essencial.

Ele viveu sob o senhorio de Cristo e testemunhou o amor a Deus e ao próximo. Que Ele interceda para que sejamos verdadeiros guerreiros do amor.

São Jorge, rogai por nós!

2º Domingo da Páscoa - 23/04/2017

Anúncio do Evangelho (Jo 20,19-31)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

19Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”.
20Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor.
21Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”.
24Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. 25Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”.
26Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”.
27Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”. 28Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!” 29Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”
30Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. 31Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e, para que, crendo, tenhais a vida em seu nome.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sábado, 22 de abril de 2017

Ano Mariano: padre destaca significados da presença de Maria na Bíblia

Professor de Mariologia explica como os evangelhos expressam a figura da Mãe de Cristo

André Cunha
Da redação, com produção de Denise Claro

A Igreja no Brasil vive o Ano Mariano desde outubro do ano passado. Especialmente neste período, os fiéis reforçam a importância de Maria na história da Igreja e da humanidade, sobretudo, na vida do povo brasileiro.
Nos evangelhos, alguns episódios da vida de Maria estão descritos em Mateus, Lucas, Marcos e João. Mas o primeiro livro do Novo Testamento que a cita é a carta de São Paulo aos Gálatas (Gl 4,4): “Mas quando veio a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, que nasceu de uma mulher e nasceu submetido a uma lei…”. A carta foi escrita 17 anos após a morte de Cristo, de acordo com historiadores.
Já o livro do Apocalipse fala de Maria no capítulo 12, em forma metáfora: “Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12, 1). Segundo a ótica do Magistério, a figura da “Mulher” pode ser atribuída tanto à Igreja como a Maria.
Alguns autores, jornais e revistas seculares se aventuram ao trazer dados sobre a vida de Maria. Mas para o professor de Mariologia na Faculdade Dehoniana, padre João Carlos Almeida (Pe. Joãozinho, scj) o mais seguro é se apoiar naquilo que a Bíblia afirma sobre Maria e que foi transformado em doutrina dogmática pelos primeiros Concílios do cristianismo como os de Niceia, Éfeso e Calcedônia.  Perdendo estes referenciais pode-se cair em uma visão distorcida, estreita ou mesmo superdimensionada da figura de Maria. O Concílio Vaticano II recordou no capítulo VIII da Lumen Gentium qual é o lugar de Maria entre o mistério de Cristo e da Igreja.
O evangelho de Lucas é o que mais fala de Maria, portanto, segundo padre João, é o que mais favorece o conhecimento sobre ela. O evangelista apresenta Maria como discípula e missionária, desde a anunciação do Anjo até o canto do Magnífica na casa de Isabel, sua prima.
“Por isso, Maria é modelo para todo cristão: ouvir a palavra e viver a palavra. E essa é a dinâmica, tornar-se um discípulo missionário. É o que Lucas quer nos dizer a respeito de Maria”.
Se no evangelho de Lucas e Mateus Ela aparece como modelo de discípula missionária, no evangelho de João aparece como intercessora: “eles não têm mais vinho…”, diz Maria a Jesus, segundo os escritos de São João. “É a mesma coisa que ela continua dizendo junto a seu Filho como intercessora”, diz o padre.
“Espírito e a Esposa dizem: vem”. É o que se pode ler ao final do Apocalipse. Sobre este trecho, o padre recorda que Maria é a Esposa do Espírito Santo, então, das criaturas, é a que está mais próxima de Deus e dos homens. “Ela é pra nós modelo de vida e intercessora”, destaca.

Livros apócrifos

Apócrifos são os livros que foram escritos pelo povo de Deus, mas não foram considerados pelo Magistério da Igreja como revelados pelo Espírito Santo; portanto, não são canônicos, isto é, não fazem parte do cânon (índice) da Bíblia.
Padre João afirma que os livros apócrifos  estão mais atentos às “questões periféricas e espetaculares de Maria, e atribuem a Ela um poder que não tem, afinal, ela não é deusa”. Já os evangelhos sagrados deixam uma “sensação muito discreta de Maria”; “e é isso que ela é, uma Mulher discreta”, afirma o sacerdote.
Por fim, o padre concluiu que, acerca dos livros apócrifos, se um católico não os ler, não perderá nada. “O que está na Bíblia é o suficiente para a nossa fé”, diz.

FONTE: CANÇÃO NOVA

Oitava da Páscoa - Sábado 22/04/2017

Evangelho (Mc 16,9-15)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor.
9Depois de ressuscitar, na madrugada do primeiro dia após o sábado, Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, da qual havia expulsado sete demônios. 10Ela foi anunciar isso aos seguidores de Jesus, que estavam de luto e chorando. 11Quando ouviram que ele estava vivo e fora visto por ela, não quiseram acreditar.
12Em seguida, Jesus apareceu a dois deles, com outra aparência, enquanto estavam indo para o campo. 13Eles também voltaram e anunciaram isso aos outros. Também a estes não deram crédito. 14Por fim, Jesus apareceu aos onze discípulos enquanto estavam comendo, repreendeu-os por causa da falta de fé e pela dureza de coração, porque não tinham acreditado naqueles que o tinham visto ressuscitado.
15E disse-lhes: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!”

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Jogo Baleia Azul é mais um passo do diabo na sociedade, adverte sacerdote


 

Recentemente, autoridades e a imprensa brasileiras alertaram sobre a disseminação no país de um jogo chamado Baleia Azul, que leva ao suicídio de jovens e representa “mais um passo” do diabo na sociedade, segundo o Padre José Eduardo de Oliveira da Diocese de Osasco (SP).

O Baleia Azul se trata de uma série de 50 desafios que são passados aos participantes por meio de grupos fechados em redes sociais, como desenhar uma baleia, cortar o próprio corpo, assistir filmes de terror de madrugada, entre outros, sendo o último deles cometer o suicídio.

O desafio teve início na Rússia e, nos últimos dias, foram registrados casos de suicídios de jovens no Brasil relacionados ao jogo. Além disso, casos de tentativas de adolescentes de tirar a própria vida estão sendo investigados.

Diante disso, Pe. José Eduardo de Oliveira, conhecido pelo seu apostolado nas redes sociais, postou nesta quarta-feira, 19, em seu Facebook uma reflexão intitulada “‘Baleia azul’ e o abismo da cultura de morte”.

O sacerdote, Doutor em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade da Santa Cruz (Roma), observou que “o século XX foi o século da ‘cultura da morte’: começamos com duas guerras e o comunismo, genocídio e democídio incomparáveis; depois, começou-se a difundir o aborto (matar os filhos); em seguida, puseram-se a praticar a eutanásia (matar os pais); por fim, criaram clínicas para o suicídio assistido (matar-se a si mesmo)”.

“Agora – alerta –, o diabo deu mais um passo: está fazendo os adolescentes e jovens flertarem com o suicídio disfarçado de jogo: ‘A Baleia azul’”.

“Como a absorção do Evangelho não se faz à margem da família, e a própria Igreja é uma estrutura primária da sociedade, uma família sobrenatural, a exclusão de Deus da sociedade laicista só produzirá estes frutos amargos e letais”, acrescenta.

Nesse sentido, faz uma exortação: “Quem dera os homens acordassem e corressem para a direção contrária: Deus, a família e a vida… — Despertai, antes que seja tarde demais!”.

O que a Igreja diz sobre o suicídio
Em um recente artigo, Prof. Felipe Aquino, apresentador do programa Escola da Fé na TV Canção Nova, explicou que “a Igreja sempre ensinou que não somos proprietários da nossa vida, e sim Deus, por isso não podemos pôr fim a ela”.

Para tal, cita o Catecismo da Igreja Católica, que em seu parágrafo 2280 afirma: “Cada um é responsável por sua vida diante de Deus, que lhe deu e que dela é sempre o único e soberano Senhor. Devemos receber a vida com reconhecimento e preservá-la para honra dele e salvação de nossas almas. Somos os administradores e não os proprietários da vida que Deus nos confiou. Não podemos dispor dela”.

Neste sentido, acrescenta, “a prática do suicídio torna-se mais grave ainda se for usado como exemplo, especialmente para os jovens, para justificar que a vida não tem sentido, e que por isso se possa eliminá-la”.

“Uma mentalidade pagã que tem como único sentido para a vida o prazer, quando este não é possível, pode querer suprimi-la”, assinala, ressaltando que “cooperar com o suicídio de alguém é também falta grave”.
Por outro lado, lembra que “a Igreja reconhece que as motivações ao suicídio podem ser complexas” e o próprio Catecismo diz que “distúrbios psíquicos graves, a angústia ou o medo grave da provação, do sofrimento ou da tortura podem diminuir a responsabilidade do suicida” (CIC §2282).

Por isso, “não se deve desesperar da salvação das pessoas que se mataram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, dar-lhes ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida” (CIC §2283).

É importante, indica Prof. Felipe Aquino, oferecer orações a Deus por uma pessoa que tenha cometido suicídio “e principalmente a santa Missa pela salvação e sufrágio de sua alma”.

Fonte: Portal Católico

Oitava da Páscoa - Sexta-feira 21/04/2017

Evangelho (Jo 21,1-14)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 1Jesus apareceu de novo aos discípulos, à beira do mar de Tiberíades. A aparição foi assim: 2Estavam juntos Simão Pedro, Tomé, chamado Dídimo, Natanael de Caná da Galileia, os filhos de Zebedeu e outros discípulos de Jesus.
3Simão Pedro disse a eles: “Eu vou pescar”. Eles disseram: “Também vamos contigo”. Saíram e entraram na barca, mas não pescaram nada naquela noite. 4Já tinha amanhecido, e Jesus estava de pé na margem. Mas os discípulos não sabiam que era Jesus. 5Então Jesus disse: “Moços, tendes alguma coisa para comer?” Responderam: “Não”.
6Jesus disse-lhes: “Lançai a rede à direita da barca, e achareis”. Lançaram pois a rede e não conseguiam puxá-la para fora, por causa da quantidade de peixes. 7Então, o discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!” Simão Pedro, ouvindo dizer que era o Senhor, vestiu uma roupa, pois estava nu, e atirou-se ao mar.
8Os outros discípulos vieram com a barca, arrastando a rede com os peixes. Na verdade, não estavam longe da terra, mas somente a cerca de cem metros. 9Logo que pisaram a terra, viram brasas acesas, com peixe em cima, e pão. 10Jesus disse-lhes: “Trazei alguns dos peixes que apanhastes”.
11Então Simão Pedro subiu ao barco e arrastou a rede para a terra. Estava cheia de cento e cinquenta e três grandes peixes; e, apesar de tantos peixes, a rede não se rompeu. 12Jesus disse-lhes: “Vinde comer”. Nenhum dos discípulos se atrevia a perguntar quem era ele, pois sabiam que era o Senhor.
13Jesus aproximou-se, tomou o pão e distribuiu-o por eles. E fez a mesma coisa com o peixe. 14Esta foi a terceira vez que Jesus, ressuscitado dos mortos, apareceu aos discípulos.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Diocese de Mossoró ordena dois novos diáconos em preparação para o sacerdócio




Dois futuros sacerdotes serão ordenados diáconos na Diocese de Mossoró, no dia 23, às 9h, na Catedral de Santa Luzia. O Diaconato Transitório, que é o último passo antes da Ordenação Sacerdotal, será recebido pelos seminaristas Railton Sérgio Bezerra de Oliveira Júnior e Messias Albuquerque Pinto. A Santa Missa será presidida pelo Bispo Diocesano, Dom Mariano Manzana.
Conheça os diáconos
Railton Sérgio Bezerra de Oliveira Júnior é  filho de Railton Sérgio Bezerra de Oliveira e Maria Edice Félix Bezerra, nasceu em Mossoró, no dia 14 de abril de 1987.  Morador do bairro Abolição 3, comunidade de São Francisco de Assis, situada na Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, onde deu seus primeiros passos na caminhada cristã. Vindo de uma família católica, desde pequeno participava das missas da comunidade e, logo depois que fez a Primeira Eucaristia, entrou no grupo dos coroinhas e com o passar dos anos foi se envolvendo em outras atividades pastorais (Legião de Maria mirim, liturgia, RCC, etc...). Aos 17 anos, deixou a família, atividade, cidade, para iniciar uma vida missionária na Comunidade Católica Boa Nova, em Recife/PE, e após quatro anos, dentro da vida missionária, descobriu um chamado para a vocação sacerdotal. Assim sendo, em 2008 retornou para a cidade de Mossoró para iniciar seu processo de estudo para entrar no Seminário Santa Teresinha. Em 2009, ingressou no seminário para iniciar seus estudos,  cursou Filosofia na UERN (2009-2012) e Teologia na Faculdade Diocesana de Mossoró (2013-2016). Durante esses anos, realizou atividades pastorais nas mais diversas realidades da Diocese e, tendo terminado esse período, iniciou estágio pastoral na Paróquia de Nossa Senhora das Dores, em Itaú. Atualmente, está na Paróquia de São Miguel Arcanjo. Desde já, será uma imensa alegria a presença de todo o povo de Deus junto conosco neste momento tão importante da nossa caminhada.
Messias Albuquerque 

Messias Albuquerque Pinto é filho de Flávio Albuquerque Torres e Maedna Pinto Torres, nasceu em Portalegre/RN no dia 27 de dezembro de 1990. Seu crescimento na fé se deu desde criança quando acompanhava sua avó Maria dos Anjos nas Santas Missas, quando ainda criança externou  desejo de ser padre em um período em que acontecia as SMP em Portalegre. Desde então, a sua caminhada foi toda voltada para a vivência da fé como coroinha, legionário mirim, apostolado da Oração, ajudando na Capela de São Francisco e outras missões que assumiu durante a caminhada na Paróquia da Imaculada Conceição de Portalegre, com a grande contribuição da catequista  Leticia Soares e do modelo de padre  Dario Torboli, com o qual aprendeu  cada vez mais a amar a  vocação sacerdotal. Em 2007, participou dos encontros vocacionais a convite do Bispo Diocesano, Dom Mariano Manzana, e em 2008 entrou  para o Seminário Santa Teresinha para  cursar o 3º ano do ensino médio no Colégio Diocesano. No período de 2009 a 2012, cursou Filosofia em Cajazeiras/PB, onde morou no Seminário Nossa Senhora da Assunção e retornando para o Seminário Santa Teresinha, de 2013 a 2016, período em que cursou Teologia na Faculdade Diocesana de Mossoró. Em 2017, começou o estágio pastoral na Paróquia de Santa Luzia, em Carnaubais. “Sabendo da grande missão que abracei conto com as orações de toda nossa Diocese para este grande momento em nossa vida”.  

* Transmissão da Rádio Rural de Mossoró
 
FONTE: BLOG DA DIOCESE DE MOSSORÓ

CNBB, OAB e COFECON emitem nota conjunta sobre reforma da previdência

CNBB, OAB e COFECON afirmam nenhuma Reforma pode ser aprovada apressadamente, nem priorizar os interesses do mercado financeiro

Da redação, com CNBB

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Conselho Federal de Economia (COFECON) emitiram, nesta quarta-feira, 19, uma nota conjunta com o posicionamento das três entidades sobre a reforma da Previdência – PEC 287/2016.

O documento reitera a posição das entidades de que nenhuma reforma que afete direitos básicos da população pode ser formulada sem a devida discussão com o conjunto da sociedade e suas organizações: a Reforma não pode ser aprovada apressadamente, nem colocar os interesses do mercado financeiro e as razões de ordem econômica acima das necessidades da população e os valores ético-sociais e solidários são imprescindíveis na busca de solução para a Previdência.

Estiveram presentes na assinatura da nota o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner; o presidente da OAB, Cláudio Lamachia; e o presidente do Cofecon, Júlio Miragaya.

Leia a nota na íntegra:


POR UMA PREVIDÊNCIA SOCIAL JUSTA E ÉTICA

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, a Ordem dos Advogados do Brasil-OAB e o Conselho Federal de Economia-COFECON, conscientes da importância da Previdência Social para o povo brasileiro, e preocupados com a proposta de reforma encaminhada pelo Executivo ao Congresso Nacional, vêm, conjuntamente, reiterar sua posição sobre a Reforma da Previdência-PEC 287/2016.

Nenhuma reforma que afete direitos básicos da população pode ser formulada, sem a devida discussão com o conjunto da sociedade e suas organizações. A Reforma da Previdência não pode ser aprovada apressadamente, nem pode colocar os interesses do mercado financeiro e as razões de ordem econômica acima das necessidades da população. Os valores ético-sociais e solidários são imprescindíveis na busca de solução para a Previdência.

As mudanças nas regras da Seguridade Social devem garantir a proteção aos vulneráveis, idosos, titulares do Benefício de Prestação Continuada-BPC, enfermos, acidentados, trabalhadores de baixa renda e trabalhadores rurais. Atenção especial merecem as mulheres, particularmente na proteção à maternidade.

Sem números seguros e sem a compreensão clara da gestão da Previdência, torna-se impossível uma discussão objetiva e honesta, motivo pelo qual urge uma auditoria na Previdência Social. Não é correto, para justificar a proposta, comparar a situação do Brasil com a dos países ricos, pois existem diferenças profundas em termos de expectativa de vida, níveis de formalização do mercado de trabalho, de escolaridade e de salários. No Brasil, 2/3 dos aposentados e pensionistas recebem o benefício mínimo, ou seja, um salário mínimo e 52% não conseguem completar 25 anos de contribuição.

A PEC 287 vai na direção oposta à necessária retomada do crescimento econômico e da geração de empregos, na medida em que agrava a desigualdade social e provoca forte impacto negativo nas economias dos milhares de pequenos municípios do Brasil.

É necessário que a sociedade brasileira esteja atenta às ameaças de retrocesso. A ampla mobilização contra a retirada de direitos, arduamente conquistados, perceptível nas últimas manifestações, tem forçado o governo a adotar mudanças. Possíveis ajustes necessitam de debate com a sociedade para eliminar o caráter reducionista de direitos.

As entidades infra firmadas convidam seus membros e as organizações da sociedade civil ao amplo debate sobre a Reforma da Previdência e sobre quaisquer outras que visem alterar direitos conquistados, como a Reforma Trabalhista. Uma sociedade justa e fraterna se fortalece, a partir do cumprimento do dever cívico de cada cidadão, em busca do aperfeiçoamento das instituições democráticas.


Brasília, 19 de abril de 2017.

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

Conselho Federal de Economia (COFECON)


FONTE: CANÇÃO NOVA

Oitava da Páscoa - Quinta-feira 20/04/2017

Evangelho (Lc 24,35-48)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 35os discípulos contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão. 36Ainda estavam falando, quando o próprio Jesus apareceu no meio deles e lhes disse: “A paz esteja convosco!”
37Eles ficaram assustados e cheios de medo, pensando que estavam vendo um fantasma. 38Mas Jesus disse: “Por que estais preocupados, e por que tendes dúvidas no coração? 39Vede minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo! Tocai em mim e vede! Um fantasma não tem carne, nem ossos, como estais vendo que eu tenho”.
40E dizendo isso, Jesus mostrou-lhes as mãos e os pés. 41Mas eles ainda não podiam acreditar, porque estavam muito alegres e surpresos. Então Jesus disse: “Tendes aqui alguma coisa para comer?” 42Deram-lhe um pedaço de peixe assado. 43Ele o tomou e comeu diante deles. 44Depois disse-lhes: “São estas as coisas que vos falei quando ainda estava convosco: era preciso que se cumprisse tudo o que está escrito sobre mim na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.
45Então Jesus abriu a inteligência dos discípulos para entenderem as Escrituras, 46e lhes disse: “Assim está escrito: o Cristo sofrerá e ressuscitará dos mortos ao terceiro dia 47e no seu nome, serão anunciados a conversão e o perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. 48Vós sereis testemunhas de tudo isso”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

34ª Assembleia do Regional Nordeste 2 do Movimento de Cursilho de Cristandade em Mossoró- RN

 A cidade de Mossoró sediará, entre os dias 21 e 23, a 34ª Assembleia do Regional Nordeste 2 do Movimento de Cursilho de Cristandade, recebendo 100 integrantes da Paraíba, Pernambuco e Alagoas, além dos participantes da Diocese de Santa Luzia.
Os cursilhistas se reunirão para refletir o lema: “Vós sois o sal da terra e a luz do mundo” (Mt 5,13-14) e o tema “O MCC em estado permanente de Missão” com enfoque na espiritualidade tão característica deste movimento. O evento terá como assessor o padre Francisco Luiz Bianchin e o padre Xiko, assessor nacional do MCC.
O Cursilho de Cristandade, que tem como carisma a “Evangelização dos Ambientes”, está presente em mais de 40 países do mundo, tendo no Brasil um trabalho de 54 anos, tendo chegado na Diocese de Mossoró há 36 anos pelas mãos do nosso saudoso bispo Dom José Freire.
Num ato de comunhão na fé, convidamos todos os cristãos da Diocese, cursilhistas ou não, a unirem-se aos “decolores” pelo êxito deste rico encontro. A assembleia será realizada no Centro de Treinamento, em Mossoró, RN.  
 
FONTE: BLOG DA DIOCESE DE MOSSORÓ

Páscoa: Levar esperança e crer na vitória do bem

Segundo Doutrina Social, somos portadores de uma mensagem de vida e vitória, vindas da Páscoa de Cristo

Padre Antônio Aparecido Alves*
“[Páscoa] nos ensina que o ódio, o mal e a morte não têm a última palavra e que o amor, a justiça e o bem sempre vencem” / Foto: Canção Nova Portugal
Páscoa e Esperança
Diz o ditado popular: “a esperança é a última que morre”. Na Doutrina Social da Igreja, a esperança se reveste de um caráter muito importante, pois somos portadores de uma mensagem de vida e de vitória, vindas da Páscoa de Jesus Cristo.
Ela nos ensina que o ódio, o mal e a morte não têm a última palavra e que o amor, a justiça e o bem sempre vencem. Isto nos sustenta e anima a buscar um mundo novo, pois somos aqueles que não se conformam com as estruturas deste mundo (Rm 12,2).

O que é esperança

No sentido popular, esperança é crer que algo irá acontecer. No entanto, o Papa João Paulo II, discursando na Assembleia Geral das Nações Unidas (25/08/1980) diz que a esperança “não é somente um desejo, não é um vago sentimento, mas algo que nasce da nossa experiência histórica, alimentada por nossos anseios comuns pelo futuro”.
Portanto, ensinou-nos o Pontífice que ela é algo concreto, nascida do chão da vida e que aponta para a luta em prol do futuro. Ela não pode ser confundida ou vivida como conformismo ou fatalidade. Assim, a esperança não é esperar de braços cruzados por algo que irá acontecer, independente de nós, como por mágica ou por intervenção miraculosa de Deus, mas sim como construir desde agora o futuro que queremos.
Vista nesta ótica militante, a esperança é vivida como certeza, que não aceita a fatalidade, o destino ou a sina. O futuro deve ser feito por nós, a partir das transformações que são necessárias serem feitas no presente.

Uma esperança militante

Na abertura da Constituição Pastoral Gaudium et Spes do Concílio Vaticano II (1965) a Igreja se diz solidária com todas as pessoas, comungando com elas “as alegrias e esperanças, as tristezas e as angústias, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem” (GS 1).
A mesma Constituição insiste que a esperança não é motivo para se descuidar do empenho para com as coisas da terra e denuncia o divórcio entre fé e vida como sendo um dos erros mais graves daquele tempo (n. 43). Estamos, portanto, longe da acusação marxista de religião como sendo “ópio do povo”, pois é a esperança que impulsiona o cristão à construção do Reino de Deus.
A mesma indicação nos vem dos Bispos do Brasil. Dizem os Pastores que o cristianismo não propõe uma verdade abstrata, mas acredita na presença de Cristo que caminha com o povo, como fez com os discípulos de Emaús. Por isso, o cristão olha para o mundo com realismo, esperança, sem desanimar e certo da vitória (Documento 62, n. 1-10). Caminhamos na esperança, como fazem todos os que acreditam em Cristo, pois “a esperança cristã não decepciona” (Rm 5,5) como garante São Paulo.

Profetas da esperança

Somos chamados a ser profetas da esperança, em meio a situações de desesperança e desânimo. Por isso, devemos perguntar-nos por onde passa a esperança do povo. Discernida essas situações, é preciso promover essa esperança ou, para usar uma expressão atual, globalizar a esperança. Manter aceso o pavio que ainda fumega é mais difícil do que deixar que ele se apague. Não poderíamos fazê-lo sem a força que nos vem do alto e a vivência em comunidade com outros que partilham da mesma certeza.
O povo costuma dizer: “enquanto há vida, há esperança “. A Páscoa de Jesus é penhor de vida nova. O cristão é um vitorioso, profeta da alegria. O lado feio da medalha nós já conhecemos. Está aí, diariamente, diante de nossos olhos. É hora de apostar no novo, de construir o sonho, de globalizar a esperança.

[...]

FONTE: CANÇÃO NOVA

Oitava da Páscoa - Quarta-feira 19/04/2017

Evangelho (Lc 24,13-35)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
Glória a vós, Senhor.
13Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido.
15Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16Os discípulos, porém, estavam como que cegos, e não o reconheceram. 17Então Jesus perguntou: “Que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?
19Ele perguntou: “Que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.
25Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” 27E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele.
28Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía.
31Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. 32Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho, e nos explicava as Escrituras?” 33Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros. 34E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” 35Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Na oração do Regina Coeli, Papa pede que se alimente desejo de paz

Na Oitava da Páscoa, Papa reza a oração mariana do Regina Coeli com os fiéis reunidos na Praça São Pedro

Da Redação, com Rádio Vaticano
Papa durante oração do Regina Coeli nesta manhã / Foto; Reprodução CTV

Nesta segunda-feira, 17, feriado na Itália e no Vaticano, o Papa Francisco rezou a oração do Regina Coeli, que durante cinquenta dias, até o Pentecostes, substitui o Angelus. O Pontífice sublinhou que nesta segunda-feira de festa, conhecida como ‘Segunda-feira do Anjo’, a liturgia faz ressoar o anúncio da Ressurreição, proclamado no Domingo de Páscoa.

“No Evangelho de hoje, podemos ouvir o eco das palavras que o Mensageiro celeste dirigiu às mulheres que correram ao sepulcro: ‘Vão depressa contar aos discípulos que ele ressuscitou dos mortos’.”

Segundo o Papa, esse é um convite também aos fiéis hoje a ir depressa anunciar aos homens e mulheres dos tempos atuais essa mensagem de esperança. Desde quando Jesus ressuscitou, enfatizou, a última palavra não é mais da morte, mas da vida. Em virtude desse evento, há o chamado à renovação, segundo o Espírito, afirmando o valor da vida e isso é começar a ressurgir.

“Seremos homens e mulheres de ressurreição, homens e mulheres de vida se, em meio às vicissitudes que afligem o mundo, e são muitas, em meio à mundanidade que distancia de Deus, soubermos fazer gestos de solidariedade e acolhimento, alimentar o desejo universal de paz e aspirar um ambiente livre de degradação”, disse.

O Papa pediu à Virgem Maria que ajude os fiéis a ser sinais límpidos de Cristo ressuscitado entre os acontecimentos do mundo, a fim de que os que se encontram nas tribulações e dificuldades não permaneçam vítimas do pessimismo, mas encontrem nos outros muitos irmãos e irmãs que oferecem o seu apoio e consolo.

“Que a nossa Mãe nos ajude a crer fortemente na ressurreição de Jesus. Jesus ressuscitou! Está vivo aqui entre nós e este é o mistério de salvação admirável com a sua capacidade de transformar os corações e a vida. Que ela interceda de modo particular pelas comunidades cristãs que são chamadas a um testemunho difícil e corajoso”.

Depois do Regina Caeli, o Papa Francisco saudou os presentes na Praça São Pedro, famílias, grupos paroquiais, associações e peregrinos provenientes da Itália e várias partes do mundo. “Que vocês transcorram serenamente estes dias da Oitava de Páscoa, em que se prolonga a alegria da Ressurreição de Cristo. Aproveitem esta boa ocasião para serem testemunhas da paz do Senhor ressuscitado. Boa e Santa Páscoa a todos! Por favor, não se esqueçam de rezar por mim”, concluiu Francisco.

Oitava da Páscoa - Terça-feira 18/04/2017

Evangelho (Jo 20,11-18)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 11Maria estava do lado de fora do túmulo, chorando. Enquanto chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. 12Viu, então, dois anjos vestidos de branco, sentados onde tinha sido posto o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés.
13Os anjos perguntaram: “Mulher, por que choras?” Ela respondeu: “Levaram o meu Senhor e não sei onde o colocaram”. 14Tendo dito isto, Maria voltou-se para trás e viu Jesus, de pé. Mas não sabia que era Jesus. 15Jesus perguntou-lhe: “Mulher, por que choras? A quem procuras?” Pensando que era o jardineiro, Maria disse: “Senhor, se foste tu que o levaste dize-me onde o colocaste, e eu o irei buscar”.
16Então Jesus disse: “Maria!” Ela voltou-se e exclamou, em hebraico: “Rabuni” (que quer dizer: Mestre). 17Jesus disse: “Não me segures. Ainda não subi para junto do Pai. Mas vai dizer aos meus irmãos: subo para junto do meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”. 18Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!”, e contou o que Jesus lhe tinha dito.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Missa de Páscoa

domingo, 16 de abril de 2017

Celebração da luz, procissão e vigília pascal

Celebração da Paixão do Senhor

Missa da Santa Ceia, Lava-pés e adoração

Páscoa do Senhor - Domingo 16/04/2017

Anúncio do Evangelho (Jo 20,1-9)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

1No primeiro dia da semana, Maria Madalena foi ao túmulo de Jesus, bem de madrugada, quando ainda estava escuro, e viu que a pedra tinha sido retirada do túmulo.
2Então ela saiu correndo e foi encontrar Simão Pedro e o outro discípulo, aquele que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram o Senhor do túmulo, e não sabemos onde o colocaram”.
3Saíram, então, Pedro e o outro discípulo e foram ao túmulo. 4Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao túmulo. 5Olhando para dentro, viu as faixas de linho no chão, mas não entrou.
6Chegou também Simão Pedro, que vinha correndo atrás, e entrou no túmulo. Viu as faixas de linho deitadas no chão 7e o pano que tinha estado sobre a cabeça de Jesus, não posto com as faixas, mas enrolado num lugar à parte.
8Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu, e acreditou.
9De fato, eles ainda não tinham compreendido a Escritura, segundo a qual ele devia ressuscitar dos mortos.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Programação de Domingo (16/04) da Semana Santa 2017

Domingo (16/04/2017)

06hs - Missa de Páscoa na Igreja Matriz
19hs - Missa Solene de Páscoa na Igreja Matriz


sábado, 15 de abril de 2017

Programação de Sábado (15/04) da Semana Santa 2017

Sábado (15/04/2017) SOLENE VIGÍLIA PASCAL

´´O povo que andava em trevas viu uma grande luz, e os que habitavam na região da sombra da morte resplandeceu a luz``

17hs - vigília Pascal na comunidade de P. A. Palheiros III
19hs - Benção do fogo e Procissão da luz, saindo da Praça da Saudade
19:30hs - Missa da Vigília Pascal na Igreja Matriz

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Paixão do Senhor - Sexta-feira 14/04/2017

Anúncio da Paixão de Cristo (Jo 18,1-19,42)

Narrador 1: Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, segundo João.
Naquele tempo, 1Jesus saiu com os discípulos para o outro lado da torrente do Cedron. Havia aí um jardim, onde ele entrou com os discípulos. 2Também Judas, o traidor, conhecia o lugar, porque Jesus costumava reunir-se aí com os seus discípulos. 3Judas levou consigo um destacamento de soldados e alguns guardas dos sumos sacerdotes e fariseus, e chegou ali com lanternas, tochas e armas. 4Então Jesus, consciente de tudo o que ia acontecer, saiu ao encontro deles e disse:
— “A quem procurais?” Narrador 1: 5Responderam: — “A Jesus, o Nazareno”. Narrador 1: Ele disse: — “Sou eu”. Narrador 1: Judas, o traidor, estava junto com eles. 6Quando Jesus disse: “Sou eu”, eles recuaram e caíram por terra. 7De novo lhes perguntou: — “A quem procurais?” Narrador 1: Eles responderam: — “A Jesus, o Nazareno”. Narrador 1: 8Jesus respondeu: — “Já vos disse que sou eu. Se é a mim que procurais, então deixai que estes se retirem”. Narrador 1: 9Assim se realizava a palavra que Jesus tinha dito: — “Não perdi nenhum daqueles que me confiaste”. Narrador 2: 10Simão Pedro, que trazia uma espada consigo, puxou dela e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O nome do servo era Malco. 11Então Jesus disse a Pedro: — “Guarda a tua espada na bainha. Não vou beber o cálice que o Pai me deu?” Narrador 1: 12Então, os soldados, o comandante e os guardas dos judeus prenderam Jesus e o amarraram. 13Conduziram-no primeiro a Anás, que era o sogro de Caifás, o Sumo Sacerdote naquele ano. 14Foi Caifás que deu aos judeus o conselho: Leitor 1: “É preferível que um só morra pelo povo”. Narrador 2: 15Simão Pedro e um outro discípulo seguiam Jesus. Esse discípulo era conhecido do Sumo Sacerdote e entrou com Jesus no pátio do Sumo Sacerdote. 16Pedro ficou fora, perto da porta. Então o outro discípulo, que era conhecido do Sumo Sacerdote, saiu, conversou com a encarregada da porta e levou Pedro para dentro. 17A criada que guardava a porta disse a Pedro: Leitor 2: “Não pertences também tu aos discípulos desse homem?” Narrador 2: Ele respondeu: Leitor 1: “Não”. Narrador 2: 18Os empregados e os guardas fizeram uma fogueira e estavam se aquecendo, pois fazia frio. Pedro ficou com eles, aquecendo-se. 19Entretanto, o Sumo Sacerdote interrogou Jesus a respeito de seus discípulos e de seu ensinamento. 20Jesus lhe respondeu: — “Eu falei às claras ao mundo. Ensinei sempre na sinagoga e no Templo, onde todos os judeus se reúnem. Nada falei às escondidas. 21Por que me interrogas? Pergunta aos que ouviram o que falei; eles sabem o que eu disse”. Narrador 2: 22Quando Jesus falou isso, um dos guardas que ali estava deu-lhe uma bofetada, dizendo: Leitor 1: “É assim que respondes ao Sumo Sacerdote?” Narrador 2: 23Respondeu-lhe Jesus: — “Se respondi mal, mostra em quê; mas, se falei bem, por que me bates?” Narrador 1: 24Então, Anás enviou Jesus amarrado para Caifás, o Sumo Sacerdote. 25Simão Pedro continuava lá, em pé, aquecendo-se. Disseram-lhe: Leitor 2: “Não és tu, também, um dos discípulos dele?” Narrador 1: Pedro negou: Leitor 1: “Não!” Narrador 1: 26Então um dos empregados do Sumo Sacerdote, parente daquele a quem Pedro tinha cortado a orelha, disse: Leitor 2: “Será que não te vi no jardim com ele?” Narrador 2: 27Novamente Pedro negou. E na mesma hora, o galo cantou. 28De Caifás, levaram Jesus ao palácio do governador. Era de manhã cedo. Eles mesmos não entraram no palácio, para não ficarem impuros e poderem comer a páscoa. 29Então Pilatos saiu ao encontro deles e disse: Leitor 1: “Que acusação apresentais contra este homem?” Narrador 2: 30Eles responderam: — “Se não fosse malfeitor, não o teríamos entregue a ti!” Narrador 2: 31Pilatos disse: Leitor 2: “Tomai-o vós mesmos e julgai-o de acordo com a vossa lei”. Narrador 2: Os judeus lhe responderam: — “Nós não podemos condenar ninguém à morte”. Narrador 1: 32Assim se realizava o que Jesus tinha dito, significando de que morte havia de morrer. 33Então Pilatos entrou de novo no palácio, chamou Jesus e perguntou-lhe: Leitor 1: “Tu és o rei dos judeus?” Narrador 1: 34Jesus respondeu: — “Estás dizendo isto por ti mesmo ou outros te disseram isto de mim?” Narrador 1: 35Pilatos falou: Leitor 1: “Por acaso, sou judeu? O teu povo e os sumos sacerdotes te entregaram a mim. Que fizeste?”. Narrador 1: 36Jesus respondeu: — “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui”. Narrador 1: 37Pilatos disse a Jesus: Leitor 1: “Então, tu és rei?” Narrador 1: Jesus respondeu: — “Tu o dizes: eu sou rei. Eu nasci e vim ao mundo para isto: para dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz”. Narrador 1: 38Pilatos disse a Jesus: Leitor 1: “O que é a verdade?” Narrador 2: Ao dizer isso, Pilatos saiu ao encontro dos judeus, e disse-lhes: Leitor 1: “Eu não encontro nenhuma culpa nele. 39Mas existe entre vós um costume, que pela Páscoa eu vos solte um preso. Quereis que vos solte o rei dos Judeus?” Narrador 2: 40Então, começaram a gritar de novo: — “Este não, mas Barrabás!” Narrador 2: Barrabás era um bandido. 19,1Então Pilatos mandou flagelar Jesus. 2Os soldados teceram uma coroa de espinhos e colocaram-na na cabeça de Jesus. Vestiram-no com um manto vermelho, 3aproximavam-se dele e diziam: — “Viva o rei dos judeus!” Narrador 2: E davam-lhe bofetadas. 4Pilatos saiu de novo e disse aos judeus: Leitor 1: “Olhai, eu o trago aqui fora, diante de vós, para que saibais que não encontro nele crime algum”. Narrador 1: 5Então Jesus veio para fora, trazendo a coroa de espinhos e o manto vermelho. Pilatos disse-lhes: — “Eis o homem!” Narrador 1: 6Quando viram Jesus, os sumos sacerdotes e os guardas começaram a gritar: — “Crucifica-o! Crucifica-o!” Narrador 1: Pilatos respondeu: Leitor 1: “Levai-o vós mesmos para o crucificar, pois eu não encontro nele crime algum”. Narrador 1: 7Os judeus responderam: Leitor 2: “Nós temos uma Lei, e, segundo esta Lei, ele deve morrer, porque se fez Filho de Deus”. Narrador 2: 8Ao ouvir estas palavras, Pilatos ficou com mais medo ainda. 9Entrou outra vez no palácio e perguntou a Jesus: Leitor 1: “De onde és tu?” Narrador 2: Jesus ficou calado. 10Então Pilatos disse: Leitor 1: “Não me respondes? Não sabes que tenho autoridade para te soltar e autoridade para te crucificar?” Narrador 2: 11Jesus respondeu: — “Tu não terias autoridade alguma sobre mim, se ela não te fosse dada do alto. Quem me entregou a ti, portanto, tem culpa maior”. Narrador 2: 12Por causa disso, Pilatos procurava soltar Jesus. Mas os judeus gritavam: — “Se soltas este homem, não és amigo de César. Todo aquele que se faz rei, declara-se contra César”. Narrador 1: 13Ouvindo essas palavras, Pilatos levou Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado “Pavimento”, em hebraico Gábata”. 14Era o dia da preparação da Páscoa, por volta do meio-dia. Pilatos disse aos judeus: Leitor 2: “Eis o vosso rei!” Narrador 1: 15Eles, porém, gritavam: — “Fora! Fora! Crucifica-o!” Narrador 1: Pilatos disse: Leitor 1: “Hei de crucificar o vosso rei?” Narrador 1: Os sumos sacerdotes responderam: — “Não temos outro rei senão César”. Narrador 2: 16Então Pilatos entregou Jesus para ser crucificado, e eles o levaram. 17Jesus tomou a cruz sobre si e saiu para o lugar chamado Calvário”, em hebraico “Gólgota”. 18Ali o crucificaram, com outros dois: um de cada lado, e Jesus no meio. 19Pilatos mandou ainda escrever um letreiro e colocá-lo na cruz; nele estava escrito: — “Jesus Nazareno, o Rei dos Judeus”. Narrador 2: 20Muitos judeus puderam ver o letreiro, porque o lugar em que Jesus foi crucificado ficava perto da cidade. O letreiro estava escrito em hebraico, latim e grego. 21Então os sumos sacerdotes dos judeus disseram a Pilatos: Leitor 2: “Não escrevas ‘O Rei dos Judeus’, mas sim o que ele disse: ‘Eu sou o Rei dos judeus’”. Narrador 2: 22Pilatos respondeu: Leitor 1: “O que escrevi, está escrito”. Narrador 2: 23Depois que crucificaram Jesus, os soldados repartiram a sua roupa em quatro partes, uma parte para cada soldado. Quanto à túnica, esta era tecida sem costura, em peça única de alto abaixo. 24Disseram então entre si: Leitor 2: “Não vamos dividir a túnica. Tiremos a sorte para ver de quem será”. Narrador 2: Assim se cumpria a Escritura que diz: — “Repartiram entre si as minhas vestes e lançaram sorte sobre a minha túnica”. Narrador 1: Assim procederam os soldados. 25Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: — “Mulher, este é o teu filho”. Narrador 1: 27Depois disse ao discípulo: — “Esta é a tua mãe”. Narrador 1: Dessa hora em diante, o discípulo a acolheu consigo. 28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: — “Tenho sede”. Narrador 1: 29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: — “Tudo está consumado”. Narrador 1: E, inclinando a cabeça, entregou o espírito. (Todos se ajoelham - Silêncio.) Narrador 2: 31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz. 32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus. 33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.
35Aquele que viu, dá testemunho e seu testemunho é verdadeiro;
Narrador 2: e ele sabe que fala a verdade, para que vós também acrediteis. 36Isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: — “Não quebrarão nenhum dos seus ossos”. Narrador 2: 37E outra Escritura ainda diz: — “Olharão para aquele que transpassaram”. Narrador 1: 38Depois disso, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus — mas às escondidas, por medo dos judeus —, pediu a Pilatos para tirar o corpo de Jesus. Pilatos consentiu. Então José veio tirar o corpo de Jesus. 39Chegou também Nicodemos, o mesmo que antes tinha ido a Jesus de noite. Trouxe uns trinta quilos de perfume feito de mirra e aloés. 40Então tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no, com os aromas, em faixas de linho, como os judeus costumam sepultar. Narrador 2: 41No lugar onde Jesus foi crucificado, havia um jardim e, no jardim, um túmulo novo, onde ainda ninguém tinha sido sepultado. 42Por causa da preparação da Páscoa, e como o túmulo estava perto, foi ali que colocaram Jesus.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Programação de Sexta-Feira (14/04) da Semana Santa 2017

Sexta-Feira (14/04/2017) Paixão e morte do Senhor
DIA DE JEJUM E ABSTINÊNCIA

15hs - Celebração da Paixão na Igreja Matriz
17hs - Celebração da Paixão e Via Sacra na comunidade de P. A. Bom Lugar

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Ceia do Senhor - Quinta-feira 13/04/2017

Anúncio do Evangelho (Jo 13,1-15)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + escrito por João.
— Glória a vós, Senhor.

1Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.
2Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido.
6Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”.
8Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”.
10Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.
11Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”.
12Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Programação de Quinta-Feira (13/04) da Semana Santa 2017

Quinta-Feira (13/04/2017)

08hs - Missa dos santos óleos em Mossoró-RN
16hs - Celebração do Lava-pés no Sítio Atoleiros
19hs - Celebração do Lava-pés na Igreja Matriz
20:30hs até 00hs - Adoração ao Santíssimo Sacramento pelos grupos e comunidades
- Pastoral do Dízimo e comunidade;
- Legião de Maria e comunidade;
- Apostolado da Oração e comunidade;
- Mãe-Rainha e comunidade;
- Pastoral da família e comunidade;
- Casais paroquiais e comunidade;
- Renovação Carismática Católica - RCC e comunidade;
- Jovens e comunidade;


quarta-feira, 12 de abril de 2017

Jesus é a semente da esperança, diz Papa na catequese

No contexto da Semana Santa e das catequeses sobre esperança cristã, Santo Padre recordou entrada de Jesus em Jerusalém

Da Redação, com Rádio Vaticano
Papa se reúne com fiéis para a tradicional catequese / Foto: Arquivo

Na catequese desta Quarta-Feira Santa, 12, o Papa Francisco recordou o ingresso de Jesus em Jerusalém, celebrado no Domingo de Ramos. Essa foi uma ponte para o Papa recordar que Jesus é a semente da esperança cristã.
“Quem podia imaginar que aquele que entrou triunfante na cidade teria sido humilhado, condenado e morto na cruz?”, questionou Francisco aos fiéis. “As esperanças daquele povo se desmancharam diante da cruz; mas nós cremos que precisamente Nele, crucificado, a nossa esperança renasceu”.
Francisco explicou que a frase que pode judar a entender esta esperança foi pronunciada justamente por Jesus depois de entrar em Jerusalém: “Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto”.

A esperança tem a forma de uma semente

Jesus, explicou o Papa, trouxe ao mundo uma nova esperança, com o formato de uma semente: se fez pequeno, como um grão de trigo; deixou a sua glória celeste para vir entre os homens, caiu na terra, mas não era suficiente. “Se alguém de vocês me perguntar: como nasce a esperança? Da cruz. Olhe para a cruz, olhe para cristo crucificado e dali virá a esperança que jamais desaparece”.
Para produzir fruto, Jesus viveu o amor até o fim, deixando-se romper pela morte como uma semente sob a terra, disse o Papa. Justamente ali, no ponto extremo do seu abaixamento – que é também o ponto mais alto do amor – brotou a esperança. Assim, na Páscoa, Jesus transformou o pecado em perdão, a morte em ressurreição, o medo em confiança. Esta é a transformação da Páscoa. “Eis o porquê ali, sobre a cruz, nasceu e renasce sempre a nossa esperança”.

Cruz: única lógica que pode vencer o mal

O Santo Padre acrescentou que a lógica da cruz parece uma lógica falida, porque quem ama perde poder. Já para nós, disse, possuir sempre nos leva a querer sempre mais. “Quem é voraz jamais está satisfeito”, recordou o Papa. E Jesus diz de modo claro: “Quem ama a própria vida a perde”, ou seja: quem ama o próprio e vive por seus interesses, se enche de si e se perde. Quem ao invés aceita, é disponível e serve os outros, salva si mesmo e se torna semente de esperança para o mundo.
Contudo, a cruz é uma passagem obrigatória, mas não é a meta: a meta é a glória, como mostra a Páscoa. É como uma mulher que, para dar à luz, sofre no parto. “É o que fazem as mães: dão outra vida. Sofrem, mas ficam felizes porque dão outra vida, dão sentido à dor. O amor é o motor que move a nossa esperança”, repetiu três vezes Francisco.
“Queridos irmãos e irmãs, nesses dias deixemo-nos envolver pelo mistério de Jesus que, como grão de trigo, morrendo nos doa a vida. Ele é a semente da nossa esperança. Quero lhes dar uma lição de casa: Nos fará bem contemplar o Crucifixo e dizer-lhe: Contigo nada está perdido. Contigo posso sempre esperar. Tu és a minha esperança”. E convidou os fiéis a repetirem a última frase juntos: “Tu és a minha esperança”.

Fonte: Canção Nova

Semana Santa - Quarta-feira 12/04/2017

Evangelho (Mt 26,14-25)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.
Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 14um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes 15e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. 16E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus.
17No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” 18Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”.
19Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. 20Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. 21Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. 22Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?”23Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. 24O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” 25Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Programação de Quarta-Feira (12/04) da Semana Santa 2017

Quarta-Feira (12/04/2017)

19hs - Celebração penitencial na Igreja Matriz

terça-feira, 11 de abril de 2017

Semana Santa: um feriado com significado e importância, diz padre

“Como vou estar me divertindo em qualquer lugar, quando Ele [Cristo] está sofrendo por amor a mim? Não posso!”, diz padre sobre o feriado cristão

André Cunha
Da redação, com produção de Denise Claro

A Semana mais importante para a Igreja Católica começou neste domingo, 9, conhecido como Domingo de Ramos. A data faz memória à entrada de Jesus em Jerusalém, cidade onde a bíblia relata sua morte de cruz e ressurreição. A Semana Santa se estende até o Sábado Santo quando se celebra a Vigília Pascal.
Foto: Canção Nova

A Sexta-feira Santa é feriado nacional e, ao contrário do que muitos pensam, o dia não é para descanso ou passeios turísticos, mas para recolhimento e oração, meditando  o sofrimento de Cristo por amor à humanidade. É o que afirma o padre Sóstenes Vieira, missionário da Comunidade Canção Nova.

“O feriado tem um sentido: essa celebração é tão importante que nós vamos parar as fábricas, os bancos, as instituições públicas, etc, para que todas as pessoas possam celebrar a sua fé. É este o significado do feriado nacional. Quando qualquer pessoa – isto para os cristãos católicos – se utilizam desse feriado com outro sentido e objetivo é um sinal de que talvez ela não saiba muito bem quem é. Porque, como vou estar me divertindo em qualquer lugar, quando Ele [Cristo] está sofrendo por amor a mim? Não posso! Nós, católicos, somos chamados a divulgar a importância da Semana Santa, para que este feriado não seja como outro qualquer”, afirmou.

O padre ainda completa: “Quem, na Semana Santa, não se encontra com Jesus porque quer descansar, certamente vai voltar muito mais cansado do quem se encontrou com Jesus, a nossa Páscoa”.

Sete dias com um Sentido

A Semana Santa é também chamada de Semana Maior. “Isto porque – diz o padre – nela  nós celebramos o maior mistério da nossa fé, que é a entrega, a vida, a cruz, a morte e a ressurreição do senhor. Ela é a maior por causa da grandeza do mistério que celebramos, mas também porque ela se estende por mais cinquenta dias, que chamamos de Tempo da Páscoa”.

Dos sete dias da Semana Santa, padre Sóstenes explica que os que mais se destacam, por conta do significado das celebração, são o Domingo de Ramos, a Quinta-feira Santa, a Sexta-feira Santa, o Sábado Santo (Tríduo Pascal) e o Domingo da Ressurreição.

Nos demais dias da Semana Santa acontecem outras atividades devocionais, de acordo com a tradição de cada país e diocese, como, por exemplo, a procissão do encontro, muito comum também no Brasil.

Papa acende círio pascal na celebração do Sábado Santo, no Vaticano / Foto: L’Osservatore Romano
De acordo com padre Sóstenes, o Tríduo Pascal tem seu sentido na pessoa de Jesus. “Olhando para a vida de Cristo, encontramos o sentido dessa celebração. A vida de Jesus é amor, é entrega, é doação, é vida nova. Sua vida tem um sentido porque ela é a Páscoa”, explica padre Sóstenes, acrescentando a particularidade desses três dias:
“O que vivemos na Quinta-feira quando Ele, humilde, lava os pés, instituiu os três mistérios importantes (Sacerdócio, Eucaristia e o Novo Mandamento – ‘Amai-vos como Eu vos amei’) mostra que Jesus é uma pessoa de palavra e gestos concretos, Ele cumpre o que diz. Cristo se entrega de verdade na cruz; não foi um teatro ou um filme, mas foi real a sua entrega. E o sentido de tudo isso é que Ele vence. Na vigília de sábado, celebramos essa vitória. Ele venceu! Portanto, em Jesus nós encontramos o sentido dessas celebrações, que é a nossa Páscoa”, disse o padre.

A Páscoa in loco

Padre Sóstenes Vieira morou por quatro anos na Terra Santa, dividindo-se entre Israel e Palestina, num período missionário. Ele relata que pôde conviver com a cultura do povo local, com as leis, mas sobretudo com a espiritualidade própria da terra que acolheu o Filho de Deus.
O padre relatou à nossa equipe como foram os anos celebrando a Páscoa na Terra Santa:
“É uma experiência única realmente, uma graça muito grande participar da Páscoa na Terra Santa, principalmente, porque tudo aconteceu lá. Tudo aquilo que um dia assistimos em filmes, em teatros, ou lemos na Bíblia, aconteceu lá.
O Papa Bento XVI, certa vez, nos recordava que a Terra Santa é o quinto Evangelho. Portanto, quem diz ‘eu já li toda a Bíblia ou todos os Evangelhos’, mas não foi à Terra Santa, não pode dizer que já leu toda a bíblia, porque existe um quinto Evangelho que é lido pisando naquele local.
A força espiritual que emana daquela terra onde escorreu o sangue de Jesus, é perceptível, é sensível. Por isso, cristãos do mundo inteiro acorrem àquele lugar, principalmente nesta época.
Estar na Terra Santa é uma experiência única porque a gente vai além da nossa língua, da nossa cultura. Encontramos gente de todo o mundo e nos unimos em Cristo, por causa da nossa fé que está presente no calvário.
Podemos tocar a pedra onde escorreu o sangue de Jesus,  onde ficou sua cruz… É uma força muito grande! Depois, nós descemos do calvário e vamos seguindo a procissão até o Santo Sepulcro, onde encontramos a pedra na qual repousou o corpo do Senhor. Mas, o melhor de tudo é ver que o sepulcro está vazio, a prova de que Ele ressuscitou, que realmente é Deus e que as suas palavras são de vida eterna. Esta é uma experiência que vou levar no meu coração onde quer que eu vá. E convido a todos que podem a fazer essa experiência de, um dia, passar a Semana Santa na Terra Santa. Claro, são muitas pessoas, muitos peregrinos, mas o Senhor está dentro de nós e também, em espírito, caminha naquelas ruas, naqueles lugares”.

Fonte: Canção Nova