quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Novena

32ª Semana do Tempo Comum - Quinta-feira

Evangelho (Lc 17,20-25)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 20os fariseus perguntaram a Jesus sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus. Jesus respondeu: “O Reino de Deus não vem ostensivamente. 21Nem se poderá dizer: ‘Está aqui’ ou ‘Está ali’, porque o Reino de Deus está entre vós”.
22E Jesus disse aos discípulos: “Dias virão em que desejareis ver um só dia do Filho do Homem e não podereis ver. 23As pessoas vos dirão: ‘Ele está ali’ ou ‘Ele está aqui’. Não deveis ir, nem correr atrás. 24Pois, como o relâmpago brilha de um lado até o outro do céu, assim também será o Filho do Homem, no seu dia. 25Antes, porém, ele deverá sofrer muito e ser rejeitado por esta geração”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Novena

“A Missa é a oração por excelência", enfatiza Papa

Ao continuar o ciclo de catequeses sobre a Eucaristia, Papa lembra que a Missa é o momento privilegiado de estar com Deus e com os irmãos

Da redação, com Rádio Vaticano
Papa Francisco, durante catequese desta quarta-feira, 15./ Foto: Reprodução CTV
“A Missa é a oração por excelência, a mais elevada, a mais sublime, e ao mesmo tempo a mais “concreta”.
Ao dar prosseguimento ao seu ciclo de catequeses sobre a Eucaristia, o Papa Francisco enfatizou na Audiência Geral desta quarta-feira, 15, que a Missa é “o encontro do amor com Deus mediante a sua Palavra e o Corpo e Sangue de Jesus”.
Estar em oração – explicou o Santo Padre –  significa acima de tudo, estar em diálogo, numa relação pessoal com Deus:  “o homem foi criado como ser em relação com Deus, que encontra a sua plena realização somente no encontro com o seu Criador. O encontro da vida é rumo ao encontro definitivo com o Senhor”.

A importância do silêncio

“A Missa, a Eucaristia é o momento privilegiado para estar com Jesus, e por meio d’Ele, com Deus e com os irmãos”, observou o Papa, depois de citar o encontro do Senhor com Moisés, e de Jesus quando chama os seus discípulos:
“Rezar, como todo verdadeiro diálogo, é também saber permanecer em silêncio. No diálogo existem momentos de silêncio, no silêncio junto a Jesus. E quando nós vamos à Missa, talvez chegamos cinco minutos antes e começamos a conversar com quem está ao meu lado. Mas não é o momento de conversa! É o momento do silêncio para nos prepararmos para o diálogo. Momento de se recolher no coração para nos prepararmos para o encontro com Jesus. O silêncio é muito importante”.
“Recordem o que eu disse na semana passada, sublinhou o Papa. Não vamos a um espetáculo. Vamos a um encontro com o Senhor e o silêncio nos prepara e nos acompanha”.

Dirigir-se a Deus como “Pai”

“Jesus mesmo nos ensina como realmente é possível estar com o Pai e demonstra isto com a sua oração”. Ele explica aos discípulos que o veem retirar-se em oração, que a primeira coisa necessária para rezar é saber dizer “Pai”. E faz um alerta:
E prestem atenção: se eu não sou capaz de dizer “Pai” a Deus, não sou capaz de rezar. Devemos aprender a dizer “Pai”. Tão simples. Dizer Pai, isto é, colocar-se na sua presença com confiança filial”.

Humildade e condição filial

Mas para poder aprender isto, “é necessário reconhecer humildemente que temos necessidade de ser instruídos e dizer com simplicidade: Senhor, ensina-me a rezar”:
“Este é o primeiro ponto: ser humildes, reconhecer-se filhos, repousar no Pai, confiar n’Ele. Para entrar no Reino dos Céus é necessário fazer-se pequenos como crianças, no sentido de que as crianças sabem entregar-se, sabem que alguém se preocupará com elas, com o que irão comer, o que vestirão e assim por diante”.

Deixar-se surpreender

A segunda condição, também ela própria das crianças – continuou Francisco – “é deixar-se surpreender”:
“A criança sempre faz mil perguntas porque deseja descobrir o mundo; e se maravilha até mesmo com as coisas pequenas, porque tudo é novo para ela. Para entrar no Reino dos céus, é preciso deixar-se maravilhar”.
“Em nossa relação com o Senhor, na oração, deixamo-nos maravilhar? Ou pensamos que a oração é falar a Deus como fazem os papagaios?”, pergunta Francisco. “Não! É entregar-se e abrir o coração para deixar-se maravilhar”.
“Deixamo-nos surpreender por Deus que é sempre o Deus das surpresas? Porque o encontro com o Senhor é sempre um encontro vivo. Não um encontro de Museu. É um encontro vivo e nós vamos à Missa, não a um Museu. Vamos a um encontro vivo com o Senhor”.

Nascer de novo

O Papa então recorda o episódio envolvendo Nicodemos, a quem o Senhor fala sobre a necessidade de “renascer do alto”. “Mas o que significa isto? Se pode “renascer”? Voltar a ter o gosto, a alegria, a maravilha da vida, é possível?”:
“Esta é uma pergunta fundamental de nossa fé e este é o desejo de todo verdadeiro fiel: o desejo de renascer, a alegria de recomeçar. Nós temos este desejo? Cada um de nós tem desejo de renascer sempre para encontrar o Senhor? Vocês têm este desejo? De fato, se pode perdê-lo facilmente, por causa de tantas atividades, de tantos projetos a serem concretizados, e no final, resta pouco tempo e perdemos de vista o que é fundamental: a nossa vida de coração, a nossa vida espiritual, a nossa vida que é um encontro com o Senhor na oração”.

Na Comunhão, Deus vai de encontro a minha fragilidade

O Senhor nos surpreende – disse o Papa – mostrando-nos que “Ele nos ama também em nossas fraquezas”, tornando-se “a vítima de expiação pelos nossos pecados” e por aqueles do mundo inteiro:
“E este dom, fonte da verdadeira consolação – mas o Senhor nos perdoa sempre, isto consola, é uma verdadeira consolação, é um dom que nos é dado por meio da Eucaristia, aquele banquete nupcial em que o Esposo encontra a nossa fragilidade. Posso dizer que quando faço a comunhão na Missa o Senhor encontra a minha fragilidade? Sim, podemos dizer isto porque isto é verdade! O Senhor encontra a nossa fragilidade para nos levar de volta àquele primeiro chamado: o de ser a imagem e semelhança de Deus. Este é o ambiente da Eucaristia, esta é a oração”.

Fonte: Canção Nova

32ª Semana do Tempo Comum - Quarta-feira

Evangelho (Lc 17,11-19)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

11Aconteceu que, caminhando para Jerusalém, Jesus passava entre a Samaria e a Galileia. 12Quando estava para entrar num povoado, dez leprosos vieram a seu encontro. Pararam à distância, 13e gritaram: “Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!” 14Ao vê-los, Jesus disse: “Ide apresentar-vos aos sacerdotes”.
Enquanto caminhavam, aconteceu que ficaram curados. 15Um deles, ao perceber que estava curado, voltou glorificando a Deus em alta voz; 16atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra, e lhe agradeceu. E este era um samaritano.
17Então Jesus lhe perguntou: “Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão? 18Não houve quem voltasse para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro?” 19E disse-lhe: “Levanta-te e vai! Tua fé te salvou”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Missa

32ª Semana do Tempo Comum - Terça-feira

Evangelho (Lc 17,7-10)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus: 7“Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa?’ 8Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso poderás comer e beber?’ 9Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado? 10Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Programação Oficial da Festa da Padroeira 2017

Diocese de Santa Luzia de Mossoró
Paróquia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição
Festa de Nossa Senhora da Imaculada Conceição 2017
Upanema/RN


CONVITE

Estimados filhos e filhas de Deus, é com muita alegria que nossa comunidade paroquial se prepara para celebrar mais uma festa em honra a nossa excelsa padroeira Nossa Senhora da Imaculada Conceição. Esse ano de modo especial em que celebramos 150 anos de evangelização nessa terra de um povo acolhedor e de muita fé. Nesse espírito festivo meditaremos o tema: “Sob a proteção de Maria, 150 anos de evangelização”. Com isso escrevemos mais uma página de nossa história, onde cada um de nós somos protagonistas e continuadores da missão iniciada por Padre Adelino neste solo sagrado por outrora chamado Curral da Várzea, Rua da Palha, Conceição de Upanema e finalmente Upanema.
Fraternal abraço!

SEJAM BEM VINDOS A NOSSA FESTA!
Padre José Milton e comissão da festa.
 

PRÉ- FESTA

Dia 26/11 (domingo)
08h Adesivasso (Av. 16 de Setembro)
18h Acolhimento da Imagem Peregrina de Santa Luzia (Capela de Mãe Rainha)
       II Motoanunciata Mariana
19h Solenidade de Cristo Rei
Celebrante: Pe. Deivid Franklin (Baraúna/RN)
20h Jantar de Nossa Senhora

Dia 27/11 (segunda)
08h Missa dos Feirantes (Frente ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais)
Celebrante: Pe. José Milton
                                  
A FESTA

Dia 28/11 (terça) - Abertura Oficial

Comunidades rurais e setores missionários
05h30 Alvorada
19h – Hasteamento das bandeiras civis e eclesiásticas
       Missa de Abertura
Celebrante: Pe. Carlinhos Dantas (Mossoró/RN)
Show Religioso: Banda Deus Conosco (Upanema/RN)

 

Dia 29/11 (quarta)

Pastoral do Dízimo
06h – Missa
19h Novena
Celebrante: Pe. Messias Albuquerque (Carnaubais/RN)
Show Religioso: Banda Stilo Jovem (Janduís/RN)


Dia 30/11 (quinta)
Terço dos homens e das mulheres
06h – Missa
19h Novena
Celebrante: Pe. Railton Junior (Serra do Mel/RN)
Show Religioso: Banda Patu Louvar (Patu/RN)


Dia 01/12 (sexta)
Apostolado da Oração, Legião de Maria e Coroinhas
06h – Missa
19h Novena
Celebrante: Pe. Crisanto Borges (Mossoró/RN)
Show Sociocultural: Serenata Cultural


Dia 02/12 (sábado)
Filhos ausentes e amigos de Upanema
06h – Missa
16h – VIII Cavalgada Mariana
19h Novena
Pregador: Giovanni Bezerra (Mossoró/RN)
20h – Tradicional Leilão de Nossa Senhora
Show Sociocultural: Artistas da Terra


Dia 03/12 (domingo)
Juventude, crismandos e PASCOM
06h – Missa
08h – III Encontrão das Crianças
15h – IV Encontrão da Juventude
19h – Missa do 1º Domingo do Advento
Celebrante: Dom Mariano Manzana (Bispo Diocesano)
Show Religioso: Banda Axé Católico Anjos de Deus (Tabuleiro Grande/RN)


Dia 04/12 (segunda)
RCC e Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão
06h – Missa
19h – Novena
Celebrante: Pe. Josenildo Cândido (João Pessoa/PB)
Show Religioso: Banda Deus Conosco (Upanema/RN)


Dia 05/12 (terça)
Pastoral Familiar e ECC
06h – Missa
19h – Novena
Celebrante: Pe. Ivan dos Santos (Mossoró/RN)
Show Religioso: Ministério de Música EJOC (Mossoró/RN)


Dia 06/12 (quarta)
Pastoral Catequética, Pastoral da Criança e “Caminhando com Jesus”
06h – Missa
19h Novena
Celebrante: Pe. Tarcísio Pereira de Paiva, SCJ (Recife/PE)
Show Sociocultural: Mais Bela Voz Infantil


Dia 07/12 (quinta)
Pastoral da Pessoa Idosa, Apostolado de Mãe Rainha e Equipe de Liturgia
06h – Missa
19h Novena
Celebrante: Pe. Josemar Lima, SCJ (Fortaleza/CE)
Animação: Família Benevides – Tributo a Padre Zezinho (Mossoró/RN)

Dia 08/12 (sexta) – Solenidade da Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria
05h30 Alvorada
10h Missa Solene
Celebrante: Pe. José Milton
12h Almoço de Nossa Senhora
16h – Missa dos Devotos
Celebrante: Pe. Eliseu de Maria (Campo Grande/RN)
17h Procissão Solene
19h Benção do Santíssimo Sacramento
19h30 – Arreamento das bandeiras civis e eclesiásticas
           Confraternização de Encerramento da Festa

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Missa

III Retiro das Santas Missões Populares

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Novena

Papa: escândalos ferem e matam corações e esperanças

Santo Padre retomou palavras de Jesus no Evangelho do dia para advertir sobre escândalos

Da Redação, com Rádio Vaticano
Papa durante Missa na Casa Santa Marta / Foto: Arquivo – Reprodução CTV

Na Missa desta segunda-feira, 13, na Casa Santa Marta, o Papa Francisco destacou que os escândalos ferem os corações e matam esperanças e ilusões. A homilia foi inspirada no Evangelho do dia, em que Jesus adverte os discípulos sobre essa atitude.

“É inevitável que aconteçam escândalos”, recordou o Pontífice, retomando as palavras de Jesus no Evangelho do dia, “mas ai daquele que produz escândalos!”. E Jesus adverte os seus discípulos: “Prestem atenção em vocês mesmos!”.

“Ou seja, fiquem atentos a não escandalizar. O escândalo é feio porque o escândalo fere, fere a vulnerabilidade do povo de Deus, fere a fragilidade do povo de Deus e muitas vezes essas feridas são carregadas pro toda a vida. Não somente fere, o escândalo é capaz de matar: matar esperanças, matar ilusões, matar famílias, matar muitos corações”.

Francisco destacou que prestar atenção em si mesmo é uma advertência a todos, especialmente para quem se diz cristão, mas vive como pagão. Este é “o escândalo do povo de Deus”.

“Muitos cristãos com o seu exemplo distanciam as pessoas, com a sua incoerência, com a própria incoerência: a incoerência dos cristãos é uma das armas mais fáceis que o diabo tem para enfraquecer o povo de Deus e distanciar o povo de Deus do Senhor. Dizer uma coisa e fazer outra”.

Esta é a “incoerência” que faz escândalo, acrescentou o Pontífice, e que leva cada a um a se perguntar como é sua coerência de vida, sua coerência com o Evangelho, com Deus. Francisco citou como exemplo os empreendedores cristãos que não pagam os salários justos e se servem das pessoas para se enriquecerem e também o escândalo dos pastores na Igreja que não cuidam das ovelhas e se afastam.

“Jesus nos diz que não se pode servir a dois senhores, a Deus e ao dinheiro, e quando o pastor é alguém apegado ao dinheiro, escandaliza. E as pessoas se escandalizam: o pastor apegado ao dinheiro. Todo pastor deve se perguntar: como é minha amizade com o dinheiro? Ou o pastor que procura subir, a vaidade o leva a escalar, em vez de ser gentil, humilde, porque a gentileza e a humildade favorecem a proximidade com as pessoas. Ou o pastor que se sente senhor e comanda todos, orgulhoso, e não o pastor servidor do povo de Deus”.

“Hoje pode ser um bom dia para fazer um exame consciência sobre isso: escandalizo ou não, e como? E assim poderemos responder ao Senhor e nos aproximarmos um pouco mais d’Ele”, concluiu o Papa.

Fonte: Canção Nova

32ª Semana do Tempo Comum - Segunda-feira

Evangelho (Lc 17,1-6)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus disse a seus discípulos: “É inevitável que aconteçam escândalos. Mas ai daquele que produz escândalos! 2Seria melhor para ele que lhe amarrassem uma pedra de moinho no pescoço e o jogassem no mar, do que escandalizar um desses pequeninos.
3Prestai atenção: se o teu irmão pecar, repreende-o. Se ele se converter, perdoa-lhe. 4Se ele pecar contra ti sete vezes num só dia, e sete vezes vier a ti, dizendo: ‘Estou arrependido’, tu deves perdoá-lo”.
5Os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!” 6O Senhor respondeu: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Projeto IDE é espírito missionário no coração dos jovens, diz Dom Vilson

Programação do IDE proporcionará, durante três anos, atividades missionárias, encontros e cursos à juventude de todo o país

Julia Beck
Da redação
Dom Vilson Basso em entrevista à Canção Nova / Foto: Daniel Mafra – Portal CN

De 2017 a 2020, a Igreja no Brasil coloca em prática o Projeto da Pastoral Juvenil de evangelização. Apresentado pelo presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, Dom Vilson Basso, e aprovado pelo Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o projeto tem o título de “IDE” inspirado nas palavras de Jesus – “Ide pelo mundo e pregai o evangelho a toda criatura” – e pelo pedido do Papa Francisco para uma Igreja em saída.
“Este ano nós queremos de fato atender ao apelo de Jesus e do Papa Francisco e colocar, no coração da juventude do Brasil, esse espírito missionário de movimento, de levar a alegria, esperança e a boa notícia à juventude de nosso país”, afirmou Dom Vilson.
O programa apresenta cinco grandes linhas: missão, capacitação, estruturas de acompanhamento, ecologia e políticas públicas. De acordo com o presidente da comissão que elaborou o projeto, as três primeiras vertentes foram escolhidas seguindo uma linha de continuidade do projeto Rota 300, que norteou por três anos os jovens de todo o Brasil, sendo a grande novidade as linhas de ecologia e políticas públicas.
“Dentro do espírito do “IDE” e da ecologia inspirada no documento Laudato Sì do Papa Francisco – que pede o cuidado da Casa Comum – (…) nós agora buscamos trabalhar em todo país a ecologia, preservação, consciência dos jovens e as forças organizadas na sociedade, para o cuidado de nossos rios, mananciais, das nascentes, da Casa Comum. Uma juventude sensível às causas ecológicas é o que o Papa Francisco coloca para nós”, contou Dom Vilson.
Sobre as políticas públicas, vertente que também é novidade, Dom Vilson citou o desejo de Francisco em difundir a doutrina social da Igreja, e o principal,  de despertá-la na juventude. “Papa Francisco lançou o Docat, que é a doutrina social da Igreja para a juventude. Ele diz: ‘Eu quero um milhão de jovens vivendo a doutrina social, eu quero uma geração inteira’. Nós do Brasil queremos atender a este chamado do Papa e queremos estar em comunhão com a Igreja no Brasil que em 2019 terá a campanha da fraternidade com o tema políticas públicas”, recordou.
Segundo Dom Vilson, as realidades, somadas ao Evangelho e aos convites frequentes do Papa de atenção à juventude, foram as principais inspirações do projeto. “Nossa inspiração vem do Papa, vem do Evangelho e vem da realidade brasileira. Em cada lugar do país, esses cinco projetos serão vivenciados a partir das necessidades, da realidade e das possibilidades que a juventude organizada tem em nosso amado país”, afirmou.

Aprovação da CNBB

“Foi acolhido eu diria assim com uma alegria, com esperança e com aplauso”, afirmou Dom Vilson sobre a recepção do projeto pelo Conselho Permanente (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que aconteceu no dia 24 de outubro na 94º reunião realizada na CNBB.
“É um projeto simples, concreto e possível. É um projeto que respeita a realidade de cada região, que dá linhas gerais e a concretização depende de cada expressão juvenil e realidade de cada país. Ele não é um projeto já pronto, ele apresenta linhas comuns para todos e oferece a oportunidade de acolhida e adaptação a cada realidade”, dissertou o bispo.
Apresentação do Projeto “IDE” de evangelização juvenil ao Conselho Permanente da CNBB /Foto: CNBB

“IDE” e o Sínodo 2018

De acordo com o bispo, o Sínodo 2018 é uma oportunidade de abertura da Igreja para ouvir o clamor, os sonhos e as reivindicações da juventude. “A Igreja quer ouvir a juventude, a juventude está falando, está se manifestando. Toda a diocese do país está participando do questionário oficial do Sínodo, e milhares de jovens também estão enviando suas respostas ao Sínodo dos Bispos para a Juventude”, contou.
O Sínodo será em outubro do ano que vem e, segundo Dom Vilson, o Brasil terá um representante do país participando desta semana em Roma, onde a Secretaria Especial do Sínodo ouvirá a juventude. “Eles poderão contribuir diretamente na organização e preparação deste Sínodo”, afirmou.
“Que a partir da inspiração de Papa Francisco, saiam orientações, linhas, propostas e inspirações para a Igreja do mundo inteiro, para que ela possa abrir espaços e caminhar com os jovens. É um Kairós, tempo de espera, graça e de muita esperança. Virão coisas bonitas para continuarmos olhando, colhendo, amando e caminhando com a juventude do mundo inteiro”, refletiu Dom Vilson.

Projeto em Ação

Segundo Dom Vilson Bastos várias atividades foram programadas em parceria com as dioceses do país para os próximos três anos, tendo algumas já sido postas em prática neste ano de 2017, como a missão jovem em Manaus e Palmas.
Para este próximo triênio, acontecerá a missão jovem na Diocese de Caxias, no Maranhão, e no ano que vem na diocese de Tocantinópolis, no Tocantis. Está programada também uma Semana Santa na Amazônia – nos arredores de Manaus -, o oferecimento de cursos à distância – sobre ecologia e políticas públicas – pela Rede Século XXI e Jovens Conectados, e presencialmente nas Universidades Salesianas (Unisal), e 4 encontros nacionais, um em Rio Branco, dois em São Paulo e um no Rio de Janeiro.
A Pastoral para a Juventude oferecerá materiais necessários para o desenvolvimento de atividades em todo território nacional, com programas específicos em cada região. Os jovens interessados em participar das missões do projeto devem realizar a inscrição pelo site Jovens Conectados, para aguardar a convocação para a missão. As missões têm um prazo de duração de 10 dias e as passagens são de responsabilidade do jovem, enquanto o alojamento e as refeições são oferecidas pelas dioceses que receberão os missionários.

Fonte: Canção Nova

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Missa da caridade

31ª Semana do Tempo Comum - Sexta-feira

Evangelho (Lc 16,1-8)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1Jesus disse aos discípulos: “Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. 2Ele o chamou e lhe disse: ‘Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens’.
3O administrador então começou a refletir: ‘O senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar, não tenho forças; de mendigar, tenho vergonha. 4Ah! Já sei o que fazer, para que alguém me receba em sua casa quando eu for afastado da administração’.
5Então ele chamou cada um dos que estavam devendo ao seu patrão. E perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu patrão?’ 6Ele respondeu: ‘Cem barris de óleo!’ O administrador disse: ‘Pega a tua conta, senta-te, depressa, e escreve cinquenta!’ 7Depois ele perguntou a outro: ‘E tu, quanto deves?’ Ele respondeu: ‘Cem medidas de trigo’. O administrador disse: ‘Pega tua conta e escreve oitenta’.
8E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque ele agiu com esperteza. Com efeito, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Novena

Edificar, custodiar e purificar a Igreja, enfatiza Papa em homilia

Em homilia, Francisco frisou a imagem de Jesus Cristo, como fundamento, e do Espírito Santo, como custódia da Igreja

Da redação, com Rádio Vaticano
Celebração desta quinta-feira, 9, na Casa Santa Marta /Fonte: Rádio Vaticano

O Papa Francisco celebrou na manhã desta quinta-feira, 9, a Missa na capela da Casa Santa Marta, no Vaticano. A homilia, dedicada ao aniversário de Consagração da Basílica de São João de Latrão celebrada hoje, foi inspirada nas leituras do dia, refletidas e sintetizadas pelo Santo Padre em três palavras: edificar, custodiar e purificar a Igreja.

Segundo o Pontífice, antes de qualquer ato, é preciso edificar a Igreja, e o fundamento dela é Jesus Cristo. “Ele é a pedra angular neste edifício. Sem Jesus Cristo, a Igreja não existe. Por quê? Porque não há fundamento. E se construímos uma igreja – pensemos numa igreja material – sem fundamento, o que acontece? Cai. Cai inteira. Se não há Jesus Cristo vivo na Igreja, ela cai (…) E nós, o que somos? Somos pedras vivas, não iguais, cada uma diferente, porque esta é a riqueza da Igreja. Cada um de nós constrói segundo o dom que Deus deu. Não podemos pensar numa Igreja uniforme: isso não é Igreja”, afirmou.

Francisco fez um apelo aos cristãos para que custodiem a Igreja conscientes da premissa de que o Espírito de Deus habita em todos, reconhecendo e, principalmente, conhecendo a importância dele.
“Quantos cristãos hoje sabem quem é Jesus Cristo, sabem quem é o Pai – porque rezam o Pai Nosso? Mas quando você fala do Espírito Santo… ‘Sim, sim… ah, é a pomba, a pomba’ e para ali. Mas o Espírito Santo é a vida da Igreja, é a sua vida, é a minha vida”, recordou.

“Nós somos templo do Espírito Santo e devemos custodiar o Espírito Santo, a tal ponto que Paulo aconselha os cristãos ‘a não entristecê-lo’, isto é, não ter uma conduta contrária à harmonia que o Espírito Santo faz dentro de nós e na Igreja. Ele é a harmonia, ele faz a harmonia deste edifício”, suscitou o Papa.

Por fim, o Santo Padre falou sobre a purificação da Igreja, a partir da comunidade cristã. “Nós somos todos pecadores: todos. Todos. Se alguém de vocês não for, levante a mão, porque seria uma bela curiosidade. Todos somos pecadores. E por isso devemos purificar-nos continuamente. E purificar também a comunidade: a comunidade diocesana, a comunidade cristã, a comunidade universal da Igreja. Para fazê-la crescer”, finalizou.

Fonte: Canção Nova

31ª Semana do Tempo Comum - Quinta-feira

Evangelho (Jo 2,13-22)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

13Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. 14No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. 15Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. 16E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” 17Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. 18Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” 19Ele respondeu: “Destruí este Templo, e em três dias o levantarei”. 20Os judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?” 21Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. 22Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Terço da Comunidade

Igreja no Brasil se prepara para abertura do Ano do Laicato

Ano dedicado aos leigos começa em 26 de novembro; comissão da CNBB preparou subsídios com orientações

Da Redação, com CNBB
Subsídio para o Ano do Laicato / Divulgação

No próximo dia 26 de novembro, será aberto, na Igreja no Brasil, o Ano do Laicato, que terá como tema “Cristãos Leigos e Leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema “Sal da Terra e Luz do Mundo”.
“O Ano do Laicato nos empolga e fomenta em nós uma feliz e agradável expectativa, para juntos escutarmos o que diz o Espírito Santo aos nossos corações e assumirmos a ação transformadora na Igreja e no mundo. A obra é de Deus e de todos nós”, afirma o presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato da CNBB, Dom Severino Clasen.
O bispo espera que, no Ano do Laicato, a partir de cada reflexão, os leigos possam ouvir Jesus Cristo os chamando e os enviando para serem sal, luz e fermento na massa. “Vamos todos, através da oração e meditação da Palavra de Deus, de olhos abertos para a realidade onde vivemos, transformar as injustiças em relações de paz e amor”, exorta.
Para o bom êxito do Ano Nacional do Laicato, que seguirá até o dia 25 de novembro de 2018, o assessor da Comissão para o Laicato, Laudelino Augusto dos Santos Azevedo, aponta que é preciso, em primeiro lugar, a abertura do coração, presença e participação de todos. “É participando que a gente vai adquirir conhecimentos, experiências, vai entender melhor a nossa identidade como cristão leigo e leiga, a nossa vocação, espiritualidade e missão”, garante.
Laudelino faz ainda um apelo para que todos contribuam com o sucesso do Ano do Laicato. “Você aí que é cristão leigo e leiga ou você que tenha algum ministério na igreja mesmo não sendo ordenado, religioso ou religiosa, diácono, bispo ou presbítero, você pode, com a sua presença, com a sua participação, levar o bom êxito para o Ano Nacional do Laicato.

Subsídios

A Comissão Especial para o Ano do Laicato preparou alguns subsídios que contém orientações metodológicas para as comunidades. Um deles é composto por orientações para os grupos de reflexões e o outro por propostas de celebração.
De acordo com a secretária da Comissão para o Laicato, Pietra da Silva, os membros da Comissão estão muito felizes com a procura do material pelas dioceses e paróquias. “A gente recebe muitos e-mails e telefonemas; todo mundo solicitando o material e é aí que a gente percebe que o Ano do Laicato está acontecendo e está acontecendo em todos os regionais e em todas as dioceses”, afirma.
Para ela, ter esse contato com o material é um momento também de aprendizado. “A partir do material que estamos produzindo, vamos aprendendo sobre qual é o nosso papel dentro da Igreja, dentro do mundo em que vivemos e também vamos passando isso para as pessoas que estão à nossa volta e as pessoas com as quais convivemos”, afirma.
Além dos roteiros para as comunidades, a Comissão disponibilizou também o cartaz oficial do Ano do Laicato, além de banners. Os materiais podem ser adquiridos no site da editora da CNBB – Edições CNBB.

Fonte: Canção Nova

31ª Semana do Tempo Comum - Quarta-feira

Evangelho (Lc 14,25-33)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 25grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: 26“Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. 27Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo.
28Com efeito: qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, 29ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo:30‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar!’
31Ou ainda: Qual o rei que, ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro e examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro que marcha contra ele com vinte mil? 32Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz. 33Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!”

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Não maltratemos a nossa casa comum, pede Papa

Em postagem no twitter, Santo Padre lançou novo apelo em prol do cuidado com a criação

Da Redação, com Rádio Vaticano
É preciso preservar a casa comum para as futuras gerações, afirma o Papa/ Foto: Arquivo

Um novo apelo em prol do meio ambiente. Nesta segunda-feira, 6, o Papa Francisco postou uma mensagem no twitter em que pede cuidado ao meio ambiente, preservando-o para o futuro.
“A guerra causa sempre graves danos ao meio ambiente. Não maltratemos a nossa casa comum, mas a preservemos para as futuras gerações”, escreveu Francisco em sua conta, que tem mais de 40 milhões de seguidores nesta rede social.

O tweet do Papa foi publicado em um dia significativo com relação ao tema “meio ambiente”. Celebra-se hoje o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente em Tempos de Guerra e Conflito Armado. Também hoje começou em Bonn, Alemanha, a 23ª Conferência da ONU sobre mudanças climáticas (COP23).

Este evento, que segue até o dia 17 de novembro, busca discutir um próximo nível para enfrentar o aquecimento global e adotar um caminho de desenvolvimento mais seguro e próspero. A COP23 acontece dois anos após o Acordo de Paris, sobre as mudanças climáticas. Este foi um fruto da COP 21 (Conferência da ONU sobre mudanças climáticas realizada em Paris) e que foi adotado por líderes mundiais, entrando em vigor em 4 de novembro do ano passado.

O tema da degradação ambiental devido aos conflitos foi evidenciado várias vezes pelo Papa, em particular em sua encíclica Laudato sì, sobre o cuidado da casa comum. “É previsível que, perante o esgotamento de alguns recursos, se vá criando um cenário favorável para novas guerras, disfarçadas sob nobres reivindicações”, escreve no documento.

A guerra, adverte o Papa na encíclica, “causa sempre danos graves ao meio ambiente e à riqueza cultural dos povos, e os riscos avolumam-se quando se pensa na energia nuclear e nas armas biológicas”. Ele ressalta ainda que, apesar dos acordos internacionais, continuam nos laboratórios pesquisas para o desenvolvimento de novas armas capazes de alterar os equilíbrios naturais.
Francisco mostra particular preocupação pela água. “Os impactos ambientais poderiam afetar milhares de milhões de pessoas, sendo previsível que o controle da água por grandes empresas mundiais se transforme numa das principais fontes de conflitos deste século”.

Este é um alarme que o Santo Padre já havia lançado este ano, no discurso de encerramento de um seminário sobre o direito humano à água.

“É um problema que diz respeito a todos e faz com que a nossa casa comum sofra tanta miséria e clame por soluções efetivas, realmente capazes de superar os egoísmos que impedem a realização desde direito vital para todos os seres humanos”.

Fonte: Canção Nova

Peregrinações 2017 (Setor Leste) - Missa de abertura da peregrinação do setor

31ª Semana do Tempo Comum - Terça-feira

Evangelho (Lc 14,15-24)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 15um homem que estava à mesa disse a Jesus: “Feliz aquele que come o pão no Reino de Deus!” 16Jesus respondeu: “Um homem deu um grande banquete e convidou muitas pessoas. 17Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: ‘Vinde, pois tudo está pronto’.
18Mas todos, um a um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse: ‘Comprei um campo, e preciso ir vê-lo. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 19Um outro disse: ‘Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-las. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 20Um terceiro disse: ‘Acabo de me casar e, por isso, não posso ir’.
21O empregado voltou e contou tudo ao patrão. Então o dono da casa ficou muito zangado e disse ao empregado: ‘Sai depressa pelas praças e ruas da cidade. Traze para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos’.
22O empregado disse: ‘Senhor, o que tu mandaste fazer foi feito, e ainda há lugar’. 23O patrão disse ao empregado: ‘Sai pelas estradas e atalhos, e obriga as pessoas a virem aqui, para que minha casa fique cheia’. 24Pois eu vos digo: nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete”.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.